Arquivo do mês: maio 2008

Áudio – Hino do Palmeiras cantado por Marcos, Valdivia e Edmundo

A convite do clube, que estava realizando uma ação de marketing, o guitarrista Marcos Kleine produziu a versão do hino do Verdão cantada pelos ídolos Marcos, Valdivia e Edmundo. O resultado final foi bem legal, mesmo não sendo a música “a praia” desses jogadores. Dá para rir um pouco, e se emocionar também.

Clique aqui para fazer o download (mp3)


Crédito: J.F. Diorio/AE


Crédito: Assessoria de Imprensa S.E.Palmeiras


Áudio – Música “Quero Te Ver De Verde”, de Marcelo Quintanilha

Seguindo no cenário musical, trago agora a mais bela canção que já escutei sobre o Palmeiras, a música “Quero Te Ver De Verde”, de Marcelo Quintanilha. Estava sumida em meus arquivos, mas agora encontrei e disponibilizo para vocês baixarem.

Clique aqui para ouvir ou fazer o download (mp3)

O autor não se esquece do Verdão nem em seu site oficial. Vejo só a página principal, que é bem criativa:

Clique aqui para entrar no site oficial do músico Marcelo Quintanilha


Áudio – Música do Valdivia (Letra + MP3)

Agora a música que o palmeirense Renato Alvarenga fez para o mago Valdivia (veja o vídeo), está disponível para download em formato MP3, para você ouvir aonde quiser.

Clique aqui para baixar (mp3)

Confira abaixo a letra da música:

Ele é um verdadeiro craque com a bola nos pés
Joga no ataque, o número da sua camiseta é a dez
Ele enlouquece todos os seus adversários
Quando domina a bola e dá chute no vácuo
E resolve tudo com um toque de mágia
Pra quem não conhece, esse é o Mago Valdivia

E a bola caiu nos pés de quem não devia
Começa todo gol, com uma jogada linda
Olha nesse lance, olha só que maravilha
A torcida explode de tanta alegria

É gol, é gol, é gol, do Mago Valdivia
É gol, é gol, é gol, e a torcida grita
É gol, é gol, é gol, todos o agradecem
Com uma jogada dessa, a torcida enlouquece

Ele é um jogador acima da média, fora do normal
Todos os seus jogos, ele recebe marcação individual
Mas todos querem ver ele dar show, ele é um artista
Olha o gol que ele fez, na final do Paulista
Girou em cima do marcador, deu um corte no zagueiro
Com um belo chute de direita, deu no canto do goleiro!

É gol, é gol, é gol, do Mago Valdivia
É gol, é gol, é gol, e a torcida grita
É gol, é gol, é gol, todos o agradecem
Com uma jogada dessa, a torcida enlouquece

É gol, é gol, é gol, do Mago Valdivia
É gol, é gol, é gol, e a torcida grita
É gol, é gol, é gol, todos o agradecem
Com uma jogada dessa, a torcida enlouquece

enlouquece…
enlouquece…

* Atualizado às 12h27min – 25/05/2008


Vídeo – Música para “El Mago”

Mais uma demonstração de fanatismo e criatividade da torcida Alviverde. Dessa vez, o torcedor Renato Alvarenga compôs uma música em homenagem ao jogador palmeirense Valdivia. Veja o vídeo:


Toninho Cecílio no Mondo Palmeiras

Sensacional a última edição de Mondo Palmeiras, que contou com a participação de Toninho Cecílio, ex-jogador e atual gerente de futebol do Verdão. Ela fala sobre a época em que era jogador, os bastidores das equipes da época e os títulos perdidos na década de 80. E claro, não poderiam faltar informações detalhadas sobre o atual momento do time de futebol da Sociedade Esportiva Palmeiras.

É raro encontrar um material com essa qualidade na imprensinha. Vale a pena ouvir.

Crédito para foto: site MiltonNeves.com.br – seção “Que fim levou?”


Contando os prejuízos

Veja a ficha técnica de Palmeiras 2×1 Internacional:

Local: Estádio Palestra Itália, São Paulo (SP)
Data: 18 de maio de 2008 (domingo)
Renda: R$ 377.412,00
Público: 10.081 pagantes

O prejuízo financeiro

Fazendo uma continha simples, chegamos a renda média por torcedor que compareceu no jogo de hoje: R$37,44. Caso o senhor Ebem Gualtieri não tivesse a brilhante idéia de elevar os preços dos ingressos (com base em argumentos preconceituosos e elitistas) para valores fora da realidade do torcedor brasileiro, poderíamos ter a seguinte situação:

Com preços iguais aos de 2007, a metade do valor atual, o Palestra Itália se entupiria de gente. Então, multiplicando as 27.685 entradas colocadas à venda, pela metade da renda média por torcedor, chegaríamos a uma renda total de R$ 518.263,20. Seriam quase 141 mil reais a mais na renda do jogo!

É claro que com um público maior, a proporção de ocupação dos diversos setores do estádio seria diferente, resultando em algumas diferenças nos valores. Mas para o que estamos mostrando aqui, isso não se faz relevante.

 

O prejuízo ao espetáculo

Acima das cifras perdidas, está todo um prejuízo causado à torcida e a diferença que ela faz ao espetáculo quando comparece em massa. Ao acompanhar os melhores momentos do jogo, ficou a sensação de um jogo morno, sem a empolgação e o clima que uma partida dessas deveria ter.

 

Se manda, Ebem Gualtieri!

Com tudo isso que aconteceu, fica claro que Ebem Gualtieri não tem as mínimas condições de cuidar desse importante assunto no clube, que são os ingressos para os jogos. A atual diretoria do Palmeiras, que vem fazendo um ótimo trabalho, deve assumir esta responsabilidade e tirar todos os poderes que essa pessoa possuí. O tratamento ao torcedor deve se tornar uma prioridade para o clube, pois é a torcida que faz o clube ser o que é. E ter o estádio sempre lotado deve se tornar um objetivo tão grande quanto conquistar títulos.


Áudio – Hino do Palmeiras na Guitarra (Versão Extendida)

Novamente o hino na guitarra de Marcos Kleine. Agora com uma longa e bela introdução, ao som da guitarra e também de narrações do José Silvério, em momentos marcantes da história do Verdão.

Clique aqui para fazer o download (mp3)

 


Elitização dos estádios: o preconceito

Este é um tema que será abordado de forma ampla e profunda aqui no blog. Por alguns fatores, como o tempo para escrever e outras prioridades, ainda não tinha iniciado a discussão. Mas essa última decisão que a diretoria do Palmeiras tomou, de manter os preços dos ingressos de arquibancadas do Palestra Itália iguais aos praticados nas finais do Campeonato Paulista, me deu a motivação necessária para iniciar o tratamento do assunto.

O processo de elitização dos estádios já está sendo implementado pelos dirigentes de nosso futebol, através de preços de ingressos incompatíveis com a renda da grande maioria da população. Lutar contra isso é o que faremos aqui. E essa é uma luta não apenas da torcida palmeirense (que está sendo a cobaia de todo esse processo), mas também de todas as outras torcidas do estado de São Paulo e do Brasil, que muito provavelmente se tornarão as próximas vítimas.

 

Preconceito

“A fase do time é boa e agora teremos só duas partidas por mês no nosso estádio. Além disso, é uma forma de selecionar mais o público. Se houver protestos, a gente volta ao valor que era antes.”

Essa frase é de Ebem Gualtieri, vice-presidente do Palmeiras, em matéria do Estadão. Sob a ótica dele, uma pessoa rica tem mais qualidades do que uma pessoa pobre. Pré conceito puro. Como se políticos corruptos fossem pobres que moram em favelas. Como se alguns empresários que praticam crimes fiscais e trabalhistas em suas empresas não fossem de classe média-alta. Como se os “pitboys” que brigam em casas noturnas fossem favelados. Três exemplos básicos só para mostrar a falta de nexo desse tipo de pensamento.

E a revolta é tanta que diversos veículos da Mídia Palestrina escreveram sobre o assunto. Vou deixar aqui algumas passagens de posts e seus respectivos links para uma leitura completa:

Vergonha“, no Observatório Verde:

Nossa vergonha é ter um dirigente com um discurso que mais parece o do outro lado do muro. Excludente, classista, como se quem tivesse mais, valesse mais. Não dá para saber se a formulação de Gualtieri foi exatamente essa, mas a frase “um público diferente daquele que entrou em conflito com a Polícia Militar, na luta por um ingresso para a final do Paulistão contra a Ponte Preta” é para fazer o mundo acreditar que os problemas aconteceram porque tinha muito pobre na fila?

Sobre os ingressos: lá vem o gestor“, no Terceira Via Verdão:

Não se fala: “se houver protestos a gente volta ao valor que era antes”. Isso constrange àqueles que dentro do Palmeiras se esforçam em fazer as coisas com um mínimo de planejamento. E o ato falho do Vice-Presidente é claro: ninguém planejou nada. Alguém teve uma descarga (para não usar outra palavra) cerebral, e aumentou os preços.

Um descalabro“, no Parmerista!:

As declarações de Gualtieri comentando a majoração são risíveis. “É um teste”. Vacilante, de antemão já admite recuar “caso haja protestos”. E assim, praticamente convocou uma manifestação em volta do Palestra. Elitista, disse que tambem intenta trazer um “público diferente” ao estádio. Só faltou dar desconto pra quem estiver com a camisa do São Paulo.

Sr. Ebem, se o senhor quer acabar com os abusos na meia entrada, então cumpra o seu dever. Apure como centenas de lotes de meia-entrada vão parar nas mãos dos cambistas, que revendem a valor de inteira. Promova uma fiscalização eficiente nas catracas de meia-entrada. Os estudantes e aposentados têm direito de pagar preços compatíveis com suas rendas. E isso passa longe de R$20,00.

Vergonha!“, no Forza Palestra:

E aí chegamos à presente situação, em que o Palmeiras deixará de contar com o apoio maciço de sua torcida justamente contra o Internacional/RS, rival tradicional, historicamente difícil de ser batido e nosso provável maior concorrente ao título brasileiro deste ano.

É boicote“, no Cruz de Savóia:

BOICOTE! NÃO DEIXE TRANSFORMAREM NOSSA TORCIDA NESSA PÉROLA ELITISTA QUE NUNCA FOMOS! É BOICOTE! NÃO VÁ AO JOGO DO PALMEIRAS!

BOICOTE! ESSA DIRETORIA ESTÁ JUSTIFICANDO AS PORRADAS QUE A PM DISTRIBUIU EM 04/05/2008 – E TALVEZ TENHA FACILITADO O TRABALHO DELES…

BOICOTE! O TORCEDOR JÁ FOI ROUBADO POR ESSA GENTE VENDIDA QUE DISTRIBUI INGRESSO AOS CAMBISTAS NA CALADA DA NOITE: E VOCÊ NÃO FEZ NADA!

E a dica foi dada pelo próprio Ebem Gualtieri. Protesto é o que não vai faltar, seja na Mídia Palestrina, na frente do estádio ou em forma de boicote.


Saudades da camisa branca

Durante o jogo contra o Coritiba ontem, pela estréia no Brasileirão 2008, uma coisa que já estava começando a me incomodar a alguns dias, mas não que sabia exatamente o que era, se tornou clara: sinto falta do uniforme branco do Palmeiras. 

Clique para ampliar.Tá certo que com a horrível camisa comemorativa usada pelo Coritiba, que é uma cópia bem piorada daquela prateada (antecessora da Limão-Compressor) do Palmeiras, nem poderíamos ter usado nossa clássica segunda camisa, pois se confundiria com a camisa de tonalidade clara do Coxa.

Mas o que mais colabora para esse meu sentimento é o fato desta camisa verde-limão estar sendo utilizada além do necessário para uma terceira camisa. Hoje, ao invés de ficar surpreso quando a equipe escolhe este uniforme para jogar, me surpreendo quando escolhem o verde. Dessa forma há um desgaste natural da imagem e chega uma hora que cansa. Talvez não ainda para a maioria da torcida, mas para mim esse momento já chegou.

E mais duas coisas ajudaram nessa minha sensação:

1) A camisa foi usada junto com um calção branco. Uma horrível combinação;

2) Mais uma vez, a Adidas não consegue entregar a tempo o material de acordo com as necessidades do Palmeiras e seus patrocinadores. Foi possível notar claramente que a inscrição “Case” na frente da camisa era um adesivo.

Os departamentos de marketing do Palmeiras e Adidas devem ficar atentos a esses detalhes a partir de agora. E farei aqui não uma campanha, por enquanto é apenas um pedido: voltem com a camisa branca!

* Adendo: O Vicente, do Terceira Via Verdão, fez um comentário interessante sobre a logomarca da Case na camisa:

QUE CASE É ESSE? Causou estranheza aquele logo da Case? A Adidas não fez camisetas de manga longa com a nova logomarca (conforme lançamento divulgado aqui no 3VV de sexta-feira passada). Erra a Fiat, que não vem pedindo as coisas de forma ordenada. Erra a Adidas que entrega um produto que parece que foi feito no quintal de casa e parece que está mais preocupada em ganhar o Corinthians e o Flamengo do que manter o Palmeiras. Todos perdem, inclusive o Palmeiras, pela imagem horrorosa que fica na camisa. Lamentável!

* * *

E para comemorar os 15 anos do título do Campeonato Paulista de 1993, sugiro que a próxima terceira camisa seja listrada, igual a utilizada naquela época.

http://palestrinos.sites.uol.com.br/


Vídeo – Grito de guerra do time antes do prélio

Mais um vídeo da final do Campeonato Paulista de 2008.

Nas imagens do vestiário do Palmeiras antes do jogo, Pierre puxa o grito que contagia todo o grupo. Destaque para o Marcos, que fica emocionado.